domingo, 8 de julho de 2007

O Teatro Experimental do Negro

Nesta postagem contamos com a colaboração especial da amiga e historiadora Luciana Nazar, que reside em Cataguases. Nazar especializou-se na História da África e do Negro no Brasil, e vem desenvolvendo diversos estudos abordando a cultura afro-brasileira, as relações étnicos-raciais e o diálogo político entre o Brasil e os países africanos.
Em breve artigo, Nazar busca as origens do Teatro Experimental do Negro (TEN), e relata os importantes desdobramentos socio-culturais, gerados a partir da implantação do TEN.
Leia o texto da Professora Luciana;


TEN (TEATRO EXPERIMENTAL DO NEGRO)

Fundado em 1944 por Abdias Nascimento, o TEN representa no contexto da História dos afro-brasileiros, um instrumento de alfabetização institucional e política.
No palco dos Teatros fluminenses, pedreiros, serventes, caseiros, faxineiros (as) e domésticas encenavam a dimensão das relações étnico-raciais no Brasil e peças, ou relatos de escritores consagrados ou desconhecidos.
Neste projeto, os atores, em sua maioria analfabetos, aprendiam os conteúdos pragmáticos curriculares e algumas noções da sua História, contextos africanos e Política.
A implantação do TEN no Brasil deve–se a influência norte-americana e um projeto universal, idealizado pelos negros estadunidenses (maioria batistas), americanos centrais e africanos, chamado NEGRITUDE. O modelo brasileiro era idêntico ao norte americano.
Da oficina deste projeto saíram as primeiras referências negras das políticas representativas públicas, e prestigiados atores da rede Globo. Menciono alguns: Grande Otelo, Zezé Mota, Milton Gonçalves, Tony Tornado, Ruth de Souza, Neuza Borges e Abdias, uma das maiores referências da luta dos negros da contemporaneidade.

Abdias possui 93 anos, e desde os 15 milita pela causa do Negro. É Doutor em
Antropologia (EUA), foi por duas vezes Deputado Federal (1983-1987) e três vezes Senador da República (1991-1996-1999).

Iniciativa semelhante ao TEN, também manifestou-se na imprensa, artes, festivais de poesia, nos clubes negros e alguns espaços religiosos.

Luciana Nazar*

*Licenciada em História (FIC - 2005); Especialista em História da África e do Negro no Brasil (UCAM, Rio de Janeiro)
Contato: luciananazar@yahoo.com.br






Um comentário:

Natania Nogueira disse...

Vcs estão com um excelente material no blog! parabéns!!!